O que fazemos‎ > ‎

Formação para Profissionais

PRÓXIMA FORMAÇÃO: 


A acessibilidade comunicativa é comunicação para todos.

Acessibilidade comunicativa significa, toda e qualquer pessoa pode:

  • compreender o que está a ser dito.
  •  ser compreendido.
  • usar os meios que resultam consigo.
  • participar em eventos públicos, sociais.
  • usar o telefone.
  • ler e compreender a informação.
  • assinar os documentos e preencher os formulários.

Para as pessoas que possuem perturbações da comunicação a acessibilidade a serviços e organizações é um direito tão importante quanto a acessibilidade física. Não adianta uma organização garantir um espaço físico com acessibilidades e adaptações se, ao nível dos documentos, interações e ambiente comunicativo existem imensas barreiras que poderão impedir a pessoa de usufruir efetivamente dos serviços de forma autónoma e satisfatória.

Esta formação insere-se nas atividades do Mês da Afasia (junho) e é um contributo do IPA para o Plano de desenvolvimento social de Matosinhos que pretende contribuir para a qualificação de pessoas e organizações ao nível da comunicação acessível.

 

É uma formação destinada a todos os profissionais da área da saúde e social, especialmente os responsáveis pelas equipas técnicas e organizações do concelho de matosinhos.  

Objetivo: Capacitação das equipas técnicos para promoverem melhorias ao nível da acessibilidade comunicativa das suas organizações, com maior foco nas interações.

Programa:

– Conhecer e distinguir perturbações de comunicação

– O que é a acessibilidade Comunicativa e importância para as organizações

– Estratégias para melhorar a acessibilidade comunicativa ao nível do ambiente e documentos

_ Exercício prático em grupo - como avaliar as necessidades e planear implementação de mudanças

- Estratégias para melhorar a acessibilidade comunicativa ao nível das interações
– Exercício prático: treinar as competências comunicativas com pessoas com afasia

 Formadora: Paula Valente

Licenciada em Terapia da Fala pela Escola Superior de Tecnologias da Saúde do Porto desde 2008. Pós-graduada em Competências de Comunicação Clínica pela Faculdade de Medicina no Porto em 2009. Mestre em Linguística Clínica pela Universidade Católica Portuguesa em 2014. Realizou investigação no âmbito da intervenção terapêutica na afasia centrada na conversação e no parceiro de comunicação. Formadora Certificada desde 2008. Desde 2008 exerceu em vários contextos clínicos com adultos com perturbações neurológicas da comunicação adquiridas. Fundadora, Presidente da Direção e Terapeuta da fala do Instituto Português da Afasia.

 INSCREVA-SE AQUI.

                             
Porquê as formações IPA? 
As Recomendações Internacionais de boas práticas na afasia referem que “todos os profissionais de saúde e da área social que contactem com a pessoa com afasia no seu percurso de cuidados devem receber formação acerca da afasia e treino para dar suporte comunicativo”. Referem ainda que “as pessoas com afasia devem receber informação acerca da afasia, etiologias e opções de tratamento em todas fases de tratamento, desde a fase aguda à fase crónica.” 

Atendendo a estas recomendações, o IPA propõe um programa de formação único em Portugal, que permite aos profissionais adquirirem conhecimentos, ferramentas e estratégias para melhor compreender, diagnosticar, informar, comunicar e intervir com as pessoas com afasia e seus familiares, e consequentemente melhorar a qualidade dos serviços que prestam a esta população. 

Para mais informações, contacte-nos!